Curso de Flash Dedicado  – Daniel Marins  – ESPAÇO FOTO CONTEMPORÂNEA

Curso de Flash Dedicado – Daniel Marins – ESPAÇO FOTO CONTEMPORÂNEA

 O CURSO

O Curso tem como finalidade discutir a iluminação artificial portátil por meio do uso de flashes dedicados em cima da câmera e remotamente com modificadores de luz. Esse recurso proporciona trabalhar esquemas de luz típicos de estúdio aplicados em ambientes externos e internos, possibilitando equalização da luz ambiente com a luz do flash e potencializando formas criativas de iluminação.

É destinado à fotógrafos com conhecimento básico e intermediário de fotografia que estão querendo conhecer ou melhorar o uso do flash em suas fotografias de: ensaios, casamentos, aniversários, retratos, publicidade, moda etc.

Estudaremos a fundo o comportamento da luz e como fotometrar corretamente para evitar tentativas e erros em seus trabalhos fotográficos utilizando flashs. Iremos ver referências de grandes fotógrafos que utilizam iluminação artificial em suas fotos e entender como cria-las. Praticaremos muito para entender todas as teorias passadas no curso.

PROGRAMA

AULA 01

  • Apresentação dos participantes e do curso
  • Entendendo como o flash funciona com os ajustes da câmera
  • Aprendendo a ligar o modo flash no cérebro
  • Luz Incidente e o Fotômetro de mão
  • Fotometria acurada com o fotômetro da câmera

AULA 02

  • Aprendendo a usar precisamente o Flash no modo TTL
  • Dicas de utilização do flash em eventos
  • Balanço de Branco
  • Equalizando a cor do flash com a luz ambiente
  • Invertendo a cor da luz ambiente

AULA 03

  • Usando o flash no modo manual sem fotômetro de mão
  • Entendendo as propriedades da luz
  • Modificadores de luz e acessórios para flash dedicado
  • Inspiração de iluminação artificial na pintura e fotografia

AULA 04

  • Prática com modelo em externa

AULA 05

  • Revisão
  • Apresentação das fotos feitas na aula prática
  • Dicas de equipamentos e acessórios
  • Entrega dos certificados

Próximos Cursos

05/11
SEG | QUA | SEX
NOITE (19H ÀS 22H)
AULA EXTERNA SÁBADO DIA 10/11 – MANHÃ

PROF.: DANIEL MARINS

DURAÇÃO

  • 4 aulas teóricas de 03 horas
  • 1 aula prática de 4 horas

VALOR

  • R$690,00 em até 3x no cartão ou R$630,00 c/ desconto à vista em dinheiro, cheque ou transferência bancária

PRÉ-REQUISITO

  • Noções básicas de fotografia

SLOW PHOTOGRAPHY: DA PRATA AO PIXEL

SLOW PHOTOGRAPHY: DA PRATA AO PIXEL

O CURSO

Slow Photography é um curso de fotografia analógica, uma experiência única, um mergulho profundo no ato de fotografar. Usando a prática da fotografia analógica para ir de encontro ao fugaz e imediato da fotografia digital, essa maneira de fotografar traz a tona uma fotografia mais lenta, prazeirosa, artística e experimental, exercitando sempre a escolha criativa. É a fotografia como ato de criação, devoção do tempo e manifestação do acaso.

O workshop Slow Photography mostrará novas formas de pensar e criar com a fotografia.

A partir de técnicas experimentais com câmeras de baixo custo, os alunos serão apresentados a diversas possibilidades de criação com a fotografia analógica, tendo como eixo a experimentação artística e o desenvolvimento de uma linguagem autoral que irá mudar a maneira de ver e fotografar.

Além do desenvolvimento de exercícios práticos e de discussões conceituais e técnicas da fotografia analógica, os alunos debaterão trabalhos de fotógrafos atuantes nessa linha, aprenderão sobre as etapas da fotografia ao processo de edição do material produzido e terão um panorama sobre escâneres e processos de digitalização.

PROGRAMA

AULA 01

  • Álbum aberto: quem somos e o que queremos?
  • Apresentação dos participantes
  • O slow photography
  • Da prata ao pixel – três séculos de fotografia

AULA 02

  • As possibilidades criativas:
  • Duplas, triplas e múltiplas exposições
  • Efeitos e defeitos especiais
  • Light leaks
  • Push / pull processing
  • Soup – interferindo quimicamente no filme
  • Processos químicos
  • Cross x-process

AULA 03

  • O conceito na fotografia
  • Apresentação de trabalhos de fotógrafos
  • Quem fez o que e porque
  • Fotolivros e livros de fotografia

AULA 04

  • Saída prática

AULA 05

  • Projeção do trabalho produzido pelos participantes
  • Edição e discussão do material
  • Back to the future, um breve panorama sobre escâneres e digitalização
  • Álbum aberto: quem somos e o que queremos agora?

 Quero informações sobre novas Turmas

 

PROFESSORES

DURAÇÃO

  • 04 aulas teóricas e 01 aula prática de 03 horas

VALOR

  • R$550,00 em até 5x no cartão ou R$500,00 c/ desconto à vista em dinheiro, cheque ou transferência bancária

PRÉ-REQUISITO

  • Nenhum
  • 21 4107.1515
  • 21 99965.5560
  • Rua do Catete, 311 sala 1302 | Catete,
    Rio de Janeiro, RJ | 22220-001
  • contato@fotocontemporanea.com.br

Leituras de Portfólios | Prêmio Ateliê da Imagem Melhor Portfólio 2018

Leituras de Portfólios | Prêmio Ateliê da Imagem Melhor Portfólio 2018

Leituras de Portfólios | Prêmio Ateliê da Imagem Melhor Portfólio 2017

Na terceira edição das Leituras de Portfólios, os leitores convidados foram Ângela Magalhães & Nadja Pelegrino, Claudia Tavares, Daniela Dacorso, Daniella Géo, Marcia Mello, Marco Antonio Portela, Marcos Bonisson e Rony Maltz.

 

ÂNGELA MAGALHÃES & NADJA PEREGRINO

Angela Magalhães (Comunicação Social -UFRJ), foi bolsista da Fulbright/Capes no International Center of Photography /Aperture Foundation NY,1988/89. No Instituto Nacional de Fotografia da Funarte (1979-2003), coordenou as Semanas Nacionais de Fotografia (1982-1989) e diversas mostras. Na área de pesquisa, em co-parceria com Nadja Peregrino, recebeu os prêmios da Fundação Vitae (“Revista Realidade,1966-1976: paradigma de um fotojornalismo moderno no Brasil) e Rio Arte (“O Rio de Janeiro de José Medeiros” ); e publicou os livros Fotografia no Brasil: um olhar das origens ao contemporâneo (MINC/Funarte, 2004) e Fotoclubismo no Brasil – o legado da Sociedade Fluminense de Fotografia (SENAC, 2012). Atuou em comissões nacionais e internacionais como o Tenth Annual Infinity Awards (ICP NY, 1994); The International Photography Research Network- Changing Views of Brazil and Europe (Inglaterra 2006-2007) tendo, ainda, realizado curadorias internacionais na China, Rússia, Perú e Argentina. Recentemente, participou da leitura de portfólios do FotoRio (2016-18) e do Paraty em Foco (2017-18).

Nadja Peregrino é mestra em Comunicação (ECO/UFRJ-1990) com tese publicada no livro O Cruzeiro – A revolução da fotorreportagem (1991). Professora, desde 2002, do Curso de Pós-Graduação Fotografia e Imagem da Universidade Cândido Mendes. Atuou na Funarte (1977-1990) e no Centro de Artes da UFF (1990-1998), organizando exposições de renomados fotógrafos brasileiros e estrangeiros; Como curadora associada independente, realizou diversas mostras, como La revue O Cruzeiro (Chalon Sur Saun, França, (2006); Physis Soma, o corpo, a expressão e a poética do movimento (Casa das Rosas, São Paulo, 2014); Fotografia arte Plural (ICON Galeria, RJ, 2018). Integrou a seleção dos prêmios e porfólios: Marc Ferrez (Funarte, 2010) e ArtePará (Belém, 2010), Premio Pierre Verger, 2017, FotoRio (2016 -18), Paraty em Foco (2017-18) Entre os últimos textos publicados destaca-se Flutuações da fotografia contemporânea, Colóquio Fotografia Bahia, UFBA, 2017. Atualmente, ao lado de Angela Magalhães, é curadora da ICON Galeria (RJ), atuando com a exibição e venda de fotografias.

Leituras de Portfólios | Prêmio Ateliê da Imagem Melhor Portfólio 2017

CLAUDIA TAVARES

Doutora em Processos Artísticos Contemporâneos pelo Instituto de Artes UERJ, Mestra em Artes pela Goldsmiths College, Londres e em Linguagens Visuais pela Escola de Belas Artes, UFRJ e formada em Comunicação Social pela Faculdades Integradas Hélio Alonso, Rio de Janeiro.
Como artista visual, utiliza as linguagens da fotografia e do vídeo. Participou de inúmeras exposições individuais e coletivas em diversos espaços, tais como Espaço Cultural Sérgio Porto, Sesc Pinheiros, Galeria Murilo Castro (BH), Plataforma Revólver (Lisboa), 291 Gallery (Londres) e Galeria Tempo (Rio de Janeiro). Participou das Feira Internacional de Arte Bogotá 2009, SPArte 2012 e da Art Rio 2012 representada pela Galeria Tempo.

Suas exposições individuais são “Light Boxes”, 2001, 291 Gallery, Londres, “entre nuvem e vento”, 2007, Galeria do Ateliê, Rio de Janeiro, “Nós”, 2011, Espaço Sérgio Porto, Rio de Janeiro, “Branco Preto”, 2012, Galeria Tempo, Rio de Janeiro, “Vestida de infância”, 2015, Galeria do Ateliê, Rio de Janeiro; “Até”, 2015, Galeria Graphos, Rio de Janeiro. Ganhou 3o prêmio com o vídeo “BláBláBlá”, na 9o Bienal Nacional de Santos 2004. Publicou os seguintes títulos: 10 verbos, 11 imagens, 1 lembrança, edição de autor, a trilogia VAIEVEM Rio de Janeiro, VAIEVEM São Paulo e VAIEVEM Minas Gerais, Preto Branco, em parceria com Monica Mansur, todos pela Binóculo Editora, empresa que dirigiu entre 2008 e 2015. Vive e trabalha no Rio de Janeiro.

DANIELA DACORSO

Formada em Comunicação Social com Pós-Graduação em Fotografia como Instrumento de Pesquisa em Ciências Sociais, Daniela Dacorso leciona no Ateliê da Imagem e trabalha como fotógrafa free-lancer. Foi professora do Instituto de Artes da UERJ e fotógrafa da Revista Isto é e do Jornal O Globo. Fotografou para capas de discos de diversos artistas, como Titãs, Marcelo D2, Planet Hemp, Caetano Veloso e Jorge Mautner, entre outros. Colaborou como fotógrafa para diversas publicações no Brasil e no exterior, como Guardian(UK), Liberation( FR), La Vanguardia (Espanha), Intro (Alemanha), Revista Vogue e Revista Bravo entre outros. Realizou exposições individuais na Holanda (Netherlands Fotomuseum, Rotterdam), França e Brasil e participa da Coleção Joaquim Paiva de Fotografia/MAM RJ. Desenvolve projetos pessoais em fotografia e participa de residências artísticas, como o projeto “Civilização Sem Fronteiras”, residência fotográfica de três meses na China.

DANIELLA GÉO

Curadora e crítica de arte residente na Antuérpia, Bélgica e Rio de Janeiro. Doutora em Estudos Cinematográficos e Audiovisuais pela Sorbonne Nouvelle-Paris III (foco em Fotografia/Arte contemporânea). Foi curadora da 4e Biennale de Lubumbashi, R.D. Congo, da 5e BIP – Biennale internationale de la Photographie et des Arts visuels de Liège e de Black is beautiful, GRID – 3e Internationale Fotografie Biennale, Amsterdã. Entre suas curadorias recentes estão as exposições retrospectivas Charif Benhelima: Polaroid 1998-2012, MAC de Niterói e MON, Curitiba, e Roger Ballen: Transfigurações, fotografias 1968-2012, MAM-Rio, MON, Curitiba, e MAC USP. Daniela Géo é curadora associada do APT – Artist Pension Trust, NY. Escreveu para diversas publicações, entre as quais a American Encyclopedia of the Twentieth-Century Photography (Routledge, 2005). Professora da EAV Parque Lage, Rio de Janeiro, e conferencista convidada do HISK – Higher Institute for Fine Arts, Gent, Bélgica.

MARCIA MELLO

Marcia Mello é bacharel em Letras pela UFRJ, pesquisadora, curadora e conservadora de fotografia. Em 2006, inaugura a Galeria Tempo com Carolina Dias Leite e Georgiana Basto, em atividade até 2014. Em 2015 foi diretora-curadora da Marsiaj Tempo Galeria (RJ). Nesse periodo, além de organizar inúmeras exposições, participou como expositora das feiras SP/ARTE e ART/RIO. Entre suas atividades mais recententes, destaca-se a co-curadora das exposições “Kurt Klagsbrunn, um fotógrafo humanista no Rio (1940-1960)”, “Rossini Perez, entre o morro da Saúde e a África” e “Ângulos da Notícia, 90 anos de fotojornalismo em O Globo” no Museu de Arte do Rio todas em 2015. No Centro Cultural da Justiça Federal, curou a mostra “Tempos de Chumbo, Tempo de Bossa – os anos 60 pelas lentes de Evandro Teixeira” (2014) e na Galeria do Espaço SESC, “Deveria ser cego o homem invisível?”, fotografias de Renan Cepeda (2015). Como pesquisadora, participou das exposições e livros: “Alair Gomes – A new Sentimental Journey”, Cosac Naify, 2009, e “Caixa Preta – fotografias de Celso Brandão”, Estúdio Madalena, 2016, ambas com curadoria de Miguel Rio Branco e exibidas na Maison Europeenne de la Photographie em Paris. Em 2015, participou do livro “Milan Alram”, edições de Janeiro e Bazar do Tempo, de Joaquim Marçal.

MARCO ANTONIO PORTELA

Marco Antonio Portela é mestre em Ciência da Arte pela UFF. Artista Visual, curador independente, participou de exposições coletivas e individuais dentre elas: Sangue Novo no Museu do Bispo do Rosário; Séria Migrações na Galeria da UFF; O corpo inventado na Caixa Cultural de SP; Em torno do Entorno no Museu do Ingá; Elas na Galeria LGC. Têm obras em coleções como: Joaquim Paiva, Carlos Barroso, Revista ArteNexus (Miami, EUA) e Centro Cultural de Bellas Artes (Lima, Peru). Coordenou a Galeria Meninos de Luz, no Pavão/Pavãozinho, e a Galeria do Poste – Sucursal Rio. Como curador e agitador cultural, já realizou diversas exposições: Piscinão, na Galeria Murilo Castro, Belo Horizonte; Vacas Profanas no solo sagrado do Pavão/Pavãozinho, na Galeria Meninos de Luz; Mostra o seu que eu mostro o meu, na Casa França Brasil; Olhares femininos: aqui e lá, Galeria Fotoativa, Belém do Pará; Efígies, na galeria do Ateliê da Imagem. Ficou em segundo lugar no prêmio PIpa on line 2013.

MARCOS BONISSON

Marcos Bonisson é artista e Mestre em Ciência da Arte (UFF). Nasceu e trabalha na cidade do Rio de Janeiro. É graduado em Letras (UNESA) e Pós-graduado em Arte e Cultura (UCAM). Estudou gravura, desenho, cinema e fotografia na EAV – Parque Lage (1977–1981). Participou da Primeira Trienal de Fotografia do MAM – SP (1980), da 27ª Bienal Internacional de São Paulo (2006), da XIX Bienal Internacional de Cerveira em Portugal (2017) e selecionado para a Segunda Edição da BienalSur (2019). Bonisson tem participado em diversas exposições coletivas no Brasil e no exterior. Publicou o Livro Arpoador (Editora Nau, 2011), o Catálogo Pulsar (Editora Binóculo, MAM, 2013) e o Livro ZiGZAG publicado pela Editora Bazar do Tempo e lançado no Paris Photo em 2017. Suas mais recentes exposições individuais foram no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro em 2013 e a na Maison Européenne de la Photographie (MEP-Paris) em 2015.

RONY MALTZ

Artista visual e professor de arte impressa, Mestre em Fotografia pelo ICP-Bard College (NY). Faz livros de fotografia e projetos multimídia que exploram as convenções do estilo documental e as fronteiras entre texto e imagem. Produziu e dirigiu o longa documentário Atafona, criou o projeto multimídia “Borges: Obras Completas” e a vídeo-instalação “Reading/Readers”. Seu trabalho foi exibido, recentemente, no DUMBO Arts Festival, International Center of Photography e MoMA P.S.1, em Nova York; e no Centro Cultural dos Correios e Centro Cultural Justiça Federal, no Rio de Janeiro. Produtor da Feira URCA de Fotolivros e curador da exposição Livros Possíveis, no Ateliê da Imagem (RJ). Toca a Abrasiva Produções. Fundou, em 2016, a editora {Lp} press.

Escolha 5 leitores (20min cada)
23/11 | sex | 14h às 19h
R$ 280,00

Leituras de Portfólios | Prêmio Ateliê da Imagem Melhor Portfólio 2017

Escolha seu papel e simule  o valor da sua impressão fine art em 22 opções  diferentes.

Escolha seu papel e simule o valor da sua impressão fine art em 22 opções diferentes.

Agora no site da PandoraPix você pode Simular o valor da

sua impressão fine art em 22 tipos de papéis diferentes.

Simples e fácil.

Link da simulação abaixo:
http://pandorapix.com/#escolha

Escolha o papel ideal para cada trabalho. Informe apenas

Altura e Largura e tenha a prévia dos preços.

Link da simulação abaixo:
http://pandorapix.com/#escolha

Exposição Capilaridade de Virna Santolia

Exposição Capilaridade de Virna Santolia

Capilaridade | Virna Santolia

Sobre o autor

Virna Santolia atua do mercado de fotografia publicitária e editorial há mais de 20 anos, é conhecida por seus trabalhos nas áreas de moda, beleza, gastronomia e produtos. Mesmo graduada em Economia pela UFRJ. É pós-graduada em Fotografia & Imagem pela UCAM/IUPERJ.

Texto crítico

A série CAPILARIDADE, de Virna Santolia, partiu de um recorte do acervo de mais de 500 fotografias de seu trabalho profissional. São fotografias do passo a passo de revistas especializadas em beleza e bulas de produtos. Fotos, a priori, técnicas, entretanto apropriadas em um processo artístico de escavação e ressignificação.

O mergulho nesta coleção de fotografias, na qual as modelos são apresentadas sempre de costas, tendo o cabelo como protagonista do enredo visual, nos sugere algumas reflexões, bem como nos remete a referências subjetivas, como o trabalho do fotógrafo nigeriano J.D. Okhai Ojeikere e as Irmãs Xifópagas de Tunga.

Ao desvelar o processo de busca da beleza idealizada – verdadeiro regime imposto às mulheres numa sociedade que normatiza padrões ligados à cultura eurocêntrica –, esta série provoca o descentramento de nosso olhar, propondo outras possibilidades para pensar o conceito de belo e um questionamento acerca dos meios empregados pela mídia e pelas instituições para introjetar nos corpos e sujeitos certas prerrogativas de comportamento e crenças. Em tempos radicais, como o que vivemos, não deixa de ser um gesto de ordem micropolítica.

Na fotografia publicitária – ilustração do mundo do consumo –, as imagens finais são o objetivo em si, buscam a perfeição, são determinadas e planares. No entanto, nesta série, mesmo tomando partido de um código publicitário, o foco é direcionado para o processo, o “entre”, sugerindo, nestas imagens, uma dimensão escultórica e provisória. O procedimento inventariante de Virna Santolia contém um desejo pelo que é relegado à margem, um certo fascínio pelo fragmento e pelo que é descartável que, ao ser deslocado de seu contexto de origem, areja o campo do retrato fotográfico.

Marcos Bonisson e Patricia Gouvêa

Feira Oriente na Villa Aymoré

Feira Oriente na Villa Aymoré

A FEIRA FOTOARTE AGORA TEM NOVO NOME: FEIRA ORIENTE!

Ela vai ocorrer entre 29 de novembro e 2 de dezembro de 2018 na Villa Aymoré – Glória – RJ e você pode ser um(a) do(a)s artistas participantes.

Idealizada e realizada pelo Ateliê Oriente, em parceria com a Villa Aymoré, a Feira Oriente de Artes Visuais é pensada como um espaço para os artistas exporem e comercializarem os seus trabalhos sem intermediários, ou seja, diretamente com os compradores.

Participarão de 40 a 50 artistas, selecionados por uma Comissão de Seleção formada por José Octavio Montesanti, colecionador e fundador da Galeria Montessanti; Luciana Solano, curadora independente; Mariah Rafaela Silva, Mestre em ciências humanas e Vicente de Mello, fotógrafo e artista. Além disso, a Comissão irá premiar um (a) artista participante com um voucher no valor de R$500 (sem reembolso), com validade de 6 meses, para ser utilizado pelo premiado ou transferível, para qualquer curso ou workshop no Ateliê Oriente.

As inscrições possuem uma taxa de R$120,00 e devem ser feitas online nesta página, no botão abaixo (“Quero me inscrever”). O pagamento da taxa de inscrição não garante a participação do artista, visto que haverá uma Comissão de Seleção e Premiação para avaliar e selecionar os participantes.

As inscrições estão abertas do dia 12 de outubro até 12 de novembro de 2017, às 23:59 (horário de Brasília).

Mais informações : http://www.atelieoriente.com/feiraoriente/

 

Exposição – Projeto Identidades – Galeria Aliança Francesa – RJ

Exposição – Projeto Identidades – Galeria Aliança Francesa – RJ

CONVIDAMOS VOCÊ PARA A ABERTURA DA EXPOSIÇÃO
Projeto Identidades – 2ª edição

Curadoria: Osvaldo Carvalho

25 de outubro  •  Galeria Aliança Francesa

  17h Mesa redonda    18h Abertura 

Rua Muniz Barreto, 746, Botafogo, RJ

 

A Galeria Aliança Francesa inaugura quinta-feira, dia 25, “Projeto Identidades – 2ª edição”, exposição que apresenta cerca de 25 obras de 17 artistas e oferece ao público uma reflexão sobre a extensa gama de entendimentos que a identidade suscita em cada um de nós. Sob a curadoria do artista plástico e curador Osvaldo Carvalho, a exposição traz obras de Ana Paula Albé, Benoit Fournier, Eduardo Mariz & Osvaldo Carvalho, Fábio Carvalho, Gabriela Massote, Gian Shimada, Isabel Löfgren & Patricia Gouvêa, Marcelo Carrera, Mayra Rodrigues, Mayra Rodrigues, Paulo Jorge Gonçalves, Raimundo Rodriguez, Rogério Reis, Vincent Catala e Vincent Rosenblatt. O evento tem início às 17h, com mesa redonda com o curador e artistas participantes. 

Com a montagem desse projeto percebemos a extensa gama de entendimentos que a identidade suscita em cada um de nós. Nessa edição os trabalhos apresentados afinam o espectro poético visual que foi anunciado na edição anterior – como me vejo e como sou visto ainda é recorrente; contudo, ver o outro com sensibilidade cívica revela-se uma necessidade premente, urgência primeira frente a discursos de ódio e intolerância sociais. A identidade pode ser a construção legal, histórica ou sociológica do ser, mas também é a medida pela qual cogitamos nossa própria existência.

 

 

Exposição – Mãe Preta  de  Isabel Löfgren e Patricia Gouvêa

Exposição – Mãe Preta de Isabel Löfgren e Patricia Gouvêa

Vênus da Gamoa #2 (2016), interferência sobre livros com imagens de August Stahl ca. 1885 (Foto: Divulgação)

 

SÃO PAULO

Exposição – Mãe Preta


Exposição concebida por Isabel Löfgren e Patricia Gouvêa, de 5/10 a 25/11, Galeria Mario Schenberg, Funarte, Alameda Nothmann, 1058 | maepreta.net

exposição Mãe Preta foi idealizada pelas artistas Isabel Löfgren e Patricia Gouvêa e recebeu o Prêmio Funarte Conexão Circulação Artes Visuais de 2016. A partir de releituras de imagens e arquivos do período escravocrata, a exposição investiga os elos e ressonâncias entre a condição social da maternidade durante a escravidão e as vozes de mulheres e mães negras na atualidade.

 

Idealizada pelas artistas visuais Isabel Löfgren e Patricia Gouvêa, a mostra reúne vídeos, fotografias, instalações e contará com performance de Glauce Pimenta Rosa e Jessica Castro na abertura, oficina com Jarid Arraes e lançamento de catálogo com textos de Lilia Moritz Schwarcz, Martina Ahlert, Qiana Mestrich, Temi Odumosu, Alex Castro e Júlio César Medeiros da Silva Pereira

As conhecidas imagens das amas-de-leite negras, registradas desde meados do século 19 ao início do século 20, são o ponto de partida da pesquisa das artistas Isabel Löfgren e Patricia Gouvêa para a realização da exposição“Mãe Preta”, que recebeu o Prêmio Funarte Conexão Circulação Artes Visuais de 2016. Após grande sucesso de público e crítica no Rio de Janeiro, em 2016, quando foi exibida na Galeria Pretos Novos de Arte Contemporânea (dentro do Instituto de Pesquisa e Memória Pretos Novos, na capital fluminense), com cerca de 2 mil visitantes, e também em Belo Horizonte,em 2017, no Palácio das Artes, a exposição chega a São Paulo, na Galeria Mario Schenberg, da Funarte. A abertura ocorre em 4 de outubro e seguirá em cartaz até 25 de novembro, reunindo fotografias, vídeos, instalações, performance e literatura.

O projeto surgiu de uma pesquisa artística de Isabel e Patricia, iniciada em 2015, que busca, visto que é um trabalho em constante progressão, traçar os elos e as ressonâncias entre a condição social da maternidade durante a escravidão por meio de releituras de imagens e arquivos do período, o desaparecimento da história escravocrata na malha urbana das cidades brasileiras e as vozes de mulheres e mães negras na contemporaneidade. O intuito da mostra é discutir a questão da memória da escravidão e o legado da mulher negra na formação da sociedade brasileira dentro da história visual do país.

“A exposição objetiva contrapor a representação romantizada das “mães pretas” e da maternidade em arquivos históricos do período escravocrata ao protagonismo real e crescente exercido pelas mães negras de hoje. Iniciamos este projeto dentro de um contexto histórico com as escavações arqueológicas e a memorialização da escravidão da região portuária do Rio de Janeiro nos últimos anos. À medida que foram se revelando diversos achados, começamos a buscar elementos que se articulassem com o papel da mulher negra – focando na sua função dupla como mãe de seus próprios filhos e como amas-de-leite de crianças brancas – na formação social da cidade. Essas vidas, marcadas pelo terror da separação e mesmo morte de seus filhos em prol da criação dos filhos de outrem, deixaram marcas indeléveis como uma das grandes injustiças da história do Brasil e de toda a sociedade escravocrata. Com a exposição propomos como reflexão as lacunas históricas em relação ao papel fundamental da maternidade tal como exercido pela mulher negra na nossa história urbana, social e visual, buscando pontos de inflexão com as lutas na sociedade contemporânea”, afirma Isabel.

Inédita em São Paulo, a exposição – que ainda seguirá para São Luís, no Maranhão, em dezembro – inclui o lançamento de um catálogo com contribuições de nomes nacionais e internacionais, como a antropóloga e curadora-adjunta para histórias e narrativas no Masp, Lilia Moritz Schwarcz (USP); a antropóloga e pesquisadora Martina Ahlert (UFMA); o escritor Alex Castro; o historiador e diretor do Núcleo de Estudos e Pesquisa do Instituto de Pesquisa e Memória Pretos Novos, Júlio César Medeiros da Silva Pereira (UFF); a historiadora da arte, educadora criativa e curadora britânico-nigeriana Temi Odumosu (Universidade. de Malmö – Suécia); e a fotógrafa, escritora e professora do ICP-Bard (EUA), a norte-americana Qiana Mestrich.

 

Um dos pontos altos da exposição é a vídeo-instalação “Modos de Fala e Escuta” (com 27 minutos de duração), que reúne o depoimento de sete mães negras sobre maternidade, racismo, memória, ancestralidade, violência e lutas cotidianas. Nesse sentido, outro destaque da mostra é a obra “Mural das Heroínas”, com 20 retratos de líderes negras, desde Luísa Mahin, Tereza de Benguela e Nzinga de Angola às feministas Lélia Gonzalez e Beatriz do Nascimento, além de figuras políticas como Laudelina de Campos e Marielle Franco, entre outras, que simbolizam as conquistas sociais, a luta, a resistência, a voz e o lugar histórico da mulher negra no Brasil.

A exposição também conta, ainda, com a minibiblioteca Mãe Preta, que conta com publicações de autoras negras contemporânea se uma seção voltada para a literatura infanto-juvenil com títulos sobre protagonismo negro para consulta do público.

Dividida em oito séries, “Mãe Preta” apresenta instalações, colagens e intervenções em gravuras e fotografias, que, reunidas, propõem uma reinvenção poética da iconografia relacionada às mães pretas dentro de uma linguagem contemporânea tendo como ponto de partida imagens fotográficas do acervo do Instituto Moreira Salles, do Rio de Janeiro, e releituras de livros com gravuras de Jean-Baptiste Debret, Johan Moritz Rugendas e outros artistas. Isabel e Patricia criaram intervenções nessas imagens com objetos óticos, como lupas e lentes, que destacam a complexidade das relações das amas-de-leite com as crianças brancas de seus senhores e das mulheres escravizadas e seus próprios filhos dentro de contextos domésticos, urbanos e rurais.
“De tão conhecidas, estas imagens são vistas de forma superficial e contribuem para um olhar normalizado sobre a vida dessas mulheres que desempenharam um papel fundamental na formação da sociedade brasileira, mas que não revelam as histórias de violência sofridas por elas. Os trabalhos propõem uma nova forma de olhar essas imagens, de modo que a figura materna apareça no primeiro plano e não apenas como um detalhe da vida cotidiana e familiar nos tempos da escravidão”, explica Patricia.

Nesse sentido, marcas naturais do tempo em reproduções de negativos de Marc Ferrez e outros fotógrafos do século 19 são aproveitadas para simbolizar cicatrizes expostas em composições fotográficas em substituição a cópias perfeitas. A dupla também levantou, em jornais de época, anúncios sobre o aluguel de amas-de-leite, assim como artigos em publicações abolicionistas denunciando escândalos e abusos diretamente relacionados à questão das amas-de-leite no século 19, sobre os quais também intervêm com diversos objetos.

Para esta edição, as artistas fizeram uma imersão nos contextos específicos de São Paulo e São Luís, para onde a exposição viajará após a etapa paulistana. Na capital paulista, as artistas seguiram o debate sobre o apagamento da história negra da cidade e, no Maranhão, realizaram entrevistas com lideranças femininas dos Quilombos Santa Rosa dos Pretos e Santa Joana, que resultaram em obras inéditas que serão apreciadas pelo público.

O catálogo da exposição será lançado em 10 de novembro, na Galeria Funarte, em São Paulo. Na ocasião, haverá uma oficina gratuita com a escritora, poetisa e cordelista Jarid Arraes, cearense radicada em São Paulo e autora dacoletânea “Heroínas Negras Brasileiras em 15 Cordéis”, lançado pela Pólen Livros em 2017.

“Este projeto foi contemplado pelo Prêmio Funarte Conexão Circulação Artes Visuais – Galerias Funarte de Artes Visuais São Paulo / Maranhão / Chão SLZ

Workshop Individual  de Impressão Fine Art  – Marcelo Carrera Maia

Workshop Individual de Impressão Fine Art – Marcelo Carrera Maia

Workshop Individual de Impressão Fine Art – Marcelo Carrera Maia

 

O Workshop Individual de  Impressão Fine Art visa esclarecer no que consiste uma reprodução perfeita da sua imagem usando padrões internacionais de qualidade, garantindo durabilidade e profundo controle das cores e resultado.

 

O Workshop  apresentará  fundamentos para a impressão fine art:

– Como preparar um arquivo  para dar saída de impressão e conseguir o melhor resultado final.

– Pigmento Mineral

– Apresentação dos principais papéis para impressão,   como algodão, arroz, bambu,  alfa celulose, satinados,  perolados, barytados, canvas, e fotográficos.

– Tipos de impressoras  e tecnologias disponíveis.

– Permanência , durabilidade e conservação.

– Gerenciamento de cor.

– Fluxo de trabalho, pré-impressão, correções e ajustes de nitidez.

– Uso dos perfis ICC

–  Soft proof

– Apresentação dos  equipamentos de calibração e impressão, como colorímetros, espectrofotômetros e densitômetros.

– Prática de impressão e avaliação das imagens impressas.

–  Molduras e acabamento possíveis.

– Como atender e superar as expectativas do rigoroso mercado da arte.

–  Estratégias para circular, apresentar e comercializar seus trabalhos.

 

 

A quem interessa?

Importante a todos que pretendem aprender a fazer as melhores escolhas na hora de preparar a sua imagem  e de selecionar o papel mais adequado para a impressão.

Por ser individual garante maior foco e atenção no aluno.

O participante sairá do workshop com um portfólio impresso em Fineart com 10 imagens a sua escolha, no tamanho 30cm x 20cm.

Carga horária: 6 horas

Local: Laranjeiras

Valor R$ 600,00

Data : a combinar (21) 98107 0910  – marcelo@marcelocarrera.com

 

 Saiba mais  – Professor : Marcelo Carrera Maia

 

Assista o Video

 

 

Conta para Dépósito

PANDORAPIX FOTOS E PRODUÇÕES LTDA

BANCO SANTANDER – 033

AG. 3826

CONTA CORRENTE – 13003329-4

CNPJ – 18.211.713/0001-60

Desert Breath

Desert Breath

Desert Breath é uma instalação  land art  no deserto do Egito, perto de Hurghada, e perto da costa do mar vermelho. É uma obra de arte de grande dimensão, que consiste em vários montículos de areia dispostos em dupla  espiral.

 

Foi criada pelo grupo D.A.ST. Arteam, um coletivo de três artistas gregas –  Danae Stratou, escultora, Alexandra Stratou, designer industrial, e Stella Constantinides , arquiteta. A obra, foi  terminada em 7 de março de 1997, cobre uma área de 100 000 m2 e está junto a uma estrada.. Contam-se 89 cones proeminentes de dimensão gradualmente maior à medida que se afastam do centro das espirais, e outros 89 cones invertidos. A areia retirada dos cones invertidos foi usada para construir os cones salientes, o que implicou a movimentação de 7900 m3 de areia. No centro da obra está uma superfície de água que forma uma piscina circular com 30 metros  de diâmetro. Atualmente  a obra  está  quase toda encoberta devido a à erosão natural.

Veja o Vídeo

 

 

 

Boas festas e feliz 2018.

Boas festas e feliz 2018.

Estaremos em  recesso   a partir   do dia 20 de dezembro  2017,   retornando dia  10 de Janeiro 2018.

Boas Festas e que 2018 venha cheio de surpresas boas.

Workshop individual de Impressão Fine art, inclui produção de portfólio.

Workshop individual de Impressão Fine art, inclui produção de portfólio.

O Workshop  de  Impressão Fine Art visa esclarecer no que consiste uma reprodução perfeita da sua imagem usando padrões internacionais de qualidade, garantindo durabilidade e profundo controle das cores e resultado.

O Workshop  apresentará  fundamentos para a impressão fine art:

– Pigmentos Minerais

– Apresentação dos principais papéis para impressão,   como algodão, arroz, bambu,  alfa celulose, satinados,  perolados, barytados, canvas, e fotográficos.

– Tipos de impressoras  e tecnologias disponíveis.

– Permanência , durabilidade e conservação.

– Gerenciamento de cor.

– Fluxo de trabalho, pré-impressão, correções e ajustes de nitidez.

– Uso dos perfis ICC

–  Soft proof

– Apresentação dos  equipamentos de calibração e impressão, como colorímetros, espectrofotômetros e densitômetros.

– Prática de impressão e avaliação das imagens impressas.

–  Molduras e acabamento possíveis.

– Como atender e superar as expectativas do rigoroso mercado da arte.

–  Estratégias para circular, apresentar e comercializar seus trabalhos

 

A quem interessa?

 

Importante a todos que pretendem aprender a fazer as melhores escolhas na hora de preparar a sua imagem  e de selecionar o papel mais adequado para a impressão.

Por ser individual garante maior foco e atenção no aluno.

O participante sairá do workshop com um portfólio impresso em Fineart com 10 imagens a sua escolha, no tamanho 30cm x 20cm.

Carga horária: 4 horas

Local: Laranjeiras – Rio de Janeiro

Professor : Marcelo Carrera

Fone (21) 3283 8000

contato@pandorapix.com

 

Investimento e formas de pagamento:

 

Valor: R$ 600,00

Pagamento parcelado em até 3x sem juros nos cartões ou em dinheiro com 5% de desconto.

Workshop, Livro de artista com Pedro David na Villa Sophia – RJ

Workshop, Livro de artista com Pedro David na Villa Sophia – RJ

De 15 de junho – 18 de junho

 

A VILLA:
A Villa Sophia, um casarão histórico no charmoso bairro de Santa Teresa no Rio de Janeiro, que pertence à fotógrafa Anna Kahn, nasceu há 2 anos com vocação para receber diversos artistas do mundo inteiro. Neste tempo, já passaram por aqui: Miguel Chikaoka (Fotoativa), Alexandre Sequeira (Belém), Iatã Cannabrava (Estúdio Madalena), Diógenes Moura (Pinacoteca), Sarah Meister (MOMA), Milton Guran (FotoRio), Eugênio Sávio (Foto em Pauta, Tiradentes), Rosangela Rennó (Galeria Vermelho), entre outros grandes nomes da fotografia mundial, incluindo Gueorgui Pinkhassov da agência Magnum. Em maio deste ano, iniciou uma série de WS imersivos com Eustáquio Neves.

Artista:
Pedro David fez parte do projeto Paisagem Submersa (realizado entre 2002 e 2008, junto com Pedro Motta e João Castilho) que foi marcante para fotografia brasileira dos últimos anos, justamente pelo recorte que escapou do documental, misturando realidade, fantasia e arte contemporânea. Este pensamento está em suas imagens até hoje.

Pedro dedica-se a interpretar, através de diversas vertentes da fotografia, as relações entre o homem e seu ambiente, seja na natureza ou na busca em encontrar um lugar para se viver nos centros urbanos. Suas fotografias não pretendem apenas documentar as interferências do homem no ambiente, mas fabricar novas formas de vê-las e criar jogos de percepção.

Pedro David, ganhou vários prêmios importantes de fotografia no país, dentre eles o prêmio Fundação Conrado Wessel de Arte 2012; com a série Madeira de Lei, sobre uma natureza angustiada, transformada artificialmente pelo homem; Sua “Fase Catarse” reuniu três séries produzidas entre 2008 e 2011 — “Aluga-se”, “Coisas caem do Céu” e “Última Morada”, que trazem em comum a interpretação do ambiente urbano particular do artista visual mineiro. Já em “360 metros quadrados”, realizada com o prêmio Funarte Marc Ferrez de fotografia de 2012 e a Bolsa Residénces Photoquai, do Museu Quai Branly, de Paris, ele se propôs o desafio de retratar diversos cenários limitado ao espaço doméstico.

PROGRAMAÇÃO:
Na imersão na Villa Sophia, o artista pretende mostrar parte de sua produção, que chega aos 20 anos de trabalho, com comentários sobre o processo criativo, motivações, contextos e formas de elaboração e escoamento, através de projeção de imagens de trabalhos, registros de exposições, impressões e livros de artista. Também serão abordados trabalhos de referência e os trabalhos dos participantes, que serão guiados no processo de edição, impressão e montagem de um livro de artista em formato brochura.

Maiores Informações – gabrielamassotelima@gmail.com
www.villasophia107.com

 

O FotoRio e o Centro Cultural Correios convidam para a abertura de seis exposições do festival – dia 07 de Junho  Quarta às 19:00  22:00

O FotoRio e o Centro Cultural Correios convidam para a abertura de seis exposições do festival – dia 07 de Junho Quarta às 19:00 22:00

Dia 07 de Junho

Quarta às 19:00 – 22:00

Centro Cultural dos Correios    Rua Visconde do Itaboraí, 20 – Centro, 20010-060 Rio de Janeiro

 

O FotoRio e o Centro Cultural Correios convidam para a abertura de seis exposições do festival:

DIMINUTA NATUREZA E TRÊS PICOS | AFNATURA
Curadoria: Gustavo Pedro

Organizada pela AFNatura, Associação dos Fotógrafos de Natureza, a mostra é um convite para se refletir, através da fotografia de paisagem, sobre os biomas brasileiros. Reúne obras de Ary Amarante, Eduardo Zuppani, Fábio Colombini, Haroldo Palo Jr, João Marcos Rosa, José Caldas, José Medeiros, Lena Trindade, Leonide Príncipe, Luciano Candisani, Luis Claudio Marigo, Marcos Amend, Monique Cabral, Príamo Mello, Renato Soares, Ricardo Siqueira, Valdemir Cunha, Virgínio Sanches, Zé Paiva, Zig Koch.

AUSÊNCIA | NANA MORAES

Ausência, é uma investigação sobre maternidade nas prisões, levada a efeito através de um projeto criado especialmente para esse trabalho, intitulado Projeto Travessia, realizado no presídio feminino Nelson Hungria, no Complexo de Gericinó. Este é um projeto artístico/humanista cujo objetivo foi criar uma via de comunicação e expressão entre as mães encarceradas no sistema prisional e seus filhos por meio da Correspondência Fotográfica. A exposição é composta por painéis elaborados pela autora, retratos das mães presidiárias e de extratos da correspondência.

ARPOADOR – ENTARDECER AOS DOMINGOS | PETER LUCAS

Segundo seu autor, o norte-americano Peter Lucas, aos domingos, a transição do entardecer para o anoitecer é diferente dos outros dias no Arpoador. A passagem do tempo parece suspensa. Este sentimento de domingo parece trazer um sentimento de melancolia e a mortalidade presente em todas fotografias.

PONTOS EM FUGA | THOMAS VALENTIN
Curadoria: Andreas Valentin

A exposição é constituída por três séries – Túnel, Lagoa e Arena – que acompanham e, ao mesmo tempo, subvertem a lógica racional da perspectiva de tal como foi anunciada pelo seu primeiro formulador, Leon Battista Alberti, em 1435. Nas imagens, pontos e linhas permanentemente em fuga provocam estranhamentos e contestam a “indissolúvel harmonia” das partes e do todo renascentista.

CHINA DE UM CHINÊS | WANG WEIGUANG

A exposição reúne 40 fotografias em PB do fotógrafo chinês sobre a vida cotidiana da China atual, apresentando em amplo panorama das suas diversas províncias.

CORPO | ZHU HONGYU

Exercício de percepção plástica do corpo feminino em linhas e massas de luz em uma instalação composta de dez imagens – sendo duas em tamanho natural.

SERVIÇO

Visitação de 8 de Junho a 6 de Agosto.
Terça a domingo, das 12 às 19h.

FotoRio 2017 – MULHER EM FOTO

FotoRio 2017 – MULHER EM FOTO


MULHER EM FOTO

No Centro Cultural Correios
Mesas-redondas – Palestras – Projeções – Debates
Coordenação: Silvana Louzada

 

Programação – sempre das 17h às 19h:

– 08/06: Fotógrafas brasileiras na foto de 6 Nov 2016 – com Andreas Farias, Bruna Prado, Luciana Macedo, Simone Marinho e Wania Corredo. Mediação: Ioana Mello

– 09/06: YVY – Mulheres da Imagem – Organização: Marizilda Cruppe, com Bárbara Cunha (PE), Claudia Ferreira (RJ), Flávia Correia (AL), Isabella Lanave (PR) e Maíra Cabral (MG). Mediação: Ioana Mello

– 10/06 – Débora 70 – “Trajetória” e Fernanda Chemale – “Rastros D’Eu” – projeção com debate – Mediação Cristina Zappa

– 13/06: Fotógrafas Pretas – com Fernanda Dias, Lita Cerqueira e Valda Nogueira (Imagens do Povo) – Mediação: Thaís Rocha

20/06: Mulher, fotografia e história – com Maria do Carmo Rainho, Thereza Bandeira de Mello e Mariana Muaze – Mediação: Silvana Louzada

– 22/06: A mulher na fotografia pública: Cláudia Andujar, Geneviève Taylor e Nair Benedicto – Ana Maria Mauad (LABHOI / UFF)

– 27/06: Fotógrafa: Rua, Polícia e Comunidade – com Jussara Paixão (fotógrafa da Polícia Civil), Márcia Foletto (O Globo), Taís Alvarenga (Imagens do Povo) – Mediação: Silvana Louzada

29/06: Relato de Experiência com Claudia Ferreira – fotógrafa, autora dos livros: Mulheres em Movimento e Marcha das Margaridas.

Resultado da Impressão Fine Art – Gerenciamento do Perfil de Cor

Resultado da Impressão Fine Art – Gerenciamento do Perfil de Cor

Como conseguir atingir os melhores resultados em sua impressão fine art ?

Procure um estúdio de impressão certificado, que garanta a qualidade no processo de impressão.

Acompanhe o processo de ajuste e criação do perfil de cor para o Papel escohido.

Faça o ajuste da imagem para garantir o melhor contraste, cores e nitidez.

Acompanhe o vídeo a baixo e boa sorte.

 

A PandoraPix é um  estúdio de impressão fine art certificado pela Hahnemühle no Rio de Janeiro.

A PandoraPix é um estúdio de impressão fine art certificado pela Hahnemühle no Rio de Janeiro.

A PandoraPix é um estúdio de impressão fine art certificado pela Hahnemühle  desde 2016 na cidade do Rio de Janeiro. Foi criada em  2013 por Marcelo Carrera,  com o objetivo de reunir, apoiar e promover a importante cena da fotografia autoral contemporânea.

A PandoraPix  também vende fotografias impressas em diversos  tamanhos  e molduras, permitindo que diferentes públicos com diferentes necessidades tenham acesso à fotografia contemporânea. Atualmente representamos em nossa loja mais de 30 fotógrafos.

O estúdio fica  em  Laranjeiras, RJ e atendemos : galerias, museus, fotógrafos, artistas, designers, curadores, produtores, arquitetos e demais profissionais do mercado de arte.

A PandoraPix permite que o artista mergulhe na criação de seu projeto, frequentando o estúdio como se fosse seu próprio ateliê,  o impressor e o artista trabalham em colaboração, usando todos os recursos técnicos para alcançar o melhor resultado.

Produzimos  desde caixas de portfolio até exposições completas, imprimindo em diversos suportes, como : papel de algodão, arroz, bambu, canvas todos  da Hahnemuhle, Canson e Awagami que garantem durabilidade de até 275  anos.

Auxiliamos a realização de projetos de exposição, fazemos ajustes  de imagens e interpretação junto com o autor ajudando a decidir a melhor tratamento e mídia para cada trabalho. Todo o processo é feito  por profissionais com experiência no ramo de Impressões, ampliações fotográficas e tratamento de imagem.

Oferecemos atendimento personalizado e com hora marcada, para que você tenha a maior atenção e a garantia do melhor  resultado  final do trabalho. A PandoraPix é a sua nova opção de ateliê de impressão fine art no Rio de Janeiro.

 Agende sua visita.

21 3283 8000

21 98107 0910

Pin It on Pinterest